"Ao ser o que somos, o somos na linguagem"

Ainda sobre a Condecoração de Ronaldinho Gaúcgo com a Medalha Machado de Assis

08-09-2012 19:38

Polêmica - Foi em abril de 2011, que a medalha Machado de Assis, considerada a máxima honraria da ABL, foi concedida ao jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho. Sim, o próprio, que ganhou a alcunha de "doutor". Para completar, o jogador em entrevista coletiva afirmou que não tinha um livro preferido e ainda que pediria aos imortais dicas de leitura. "- Não tenho livro preferido, ler não é muito a minha, mas fico feliz com a homenagem". O fato gerou protestos na internet, especialmente no twitter, do tipo: "Quem será o próximo homenageado? Tiririca?".

Um dos vídeos mais assistidos em abril foi o desabafo do jornalista Luis Carlos Prestes sobre o fato. Ele evoca o cantor Lobão que reivindica a política da meritocracia no Brasil, ou seja, a escolha baseada no mérito (aptidão) como motivo para se atingir determinada posição. "Ronaldinho agraciado com a medalha da mais alta distinção da inteligência brasileira? Isso me tira a esperança de um Brasil melhor. (...) Eu tenho vontade de rasgar todos os meus livros e de parar de estudar os verbos irregulares".

A academia - E pensar que o Bruxo do Cosme Velho, um dos apelidos de Machado, ao longo da vida e desde o primeiro discurso (em 1897) se mostrou zeloso com os rumos da ABL. "Passai aos vossos sucessores o pensamento e a vontade iniciais, para que eles os transmitam também aos seus, e a vossa obra seja contada entre as sólidas e brilhantes páginas da nossa vida brasileira".

Universo machadiano - Apontado como o pai do realismo no Brasil, na lista de livros "coringas" do escritor carioca estão Memórias Póstumas de Brás Cubas, Dom Casmurro, Quincas Borba e vários outros contos, entre eles, Papéis Avulsos, com o conto O Alienista, em que discute a loucura. Também escreveu poesia e marcou época como um ativo crítico literário, além de ser um dos criadores da crônica no país.

Para gringo ler - Já que o brasileiro Ronaldinho Gaúcho nunca leu nenhum livro de Machado de Assis e pediu dicas de leitura, um cineasta norte-americano poderia ajudá-lo. Ninguém menos que Woody Allen citou o livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, como um de seus cinco livros favoritos. A lista foi elaborada para o jornal britânico The Guardian.

No artigo, o cultuado diretor comenta suas impressões sobre a obra do carioca. "Eu recebi pelo correio um dia. Algum estranho do Brasil me mandou e escreveu "você vai gostar disso". Como é um livro fino, eu li. Se fosse grosso, eu teria descartado". (...) "Fiquei chocado ao ver como é encantador. Não conseguia acreditar que ele viveu há tanto tempo, como ele viveu. Você pensaria que foi escrito ontem". A obra foi publicada originalmente em 1881.

Frases do bruxo do Cosme Velho

"E enquanto uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico senhor; é a perfeição universal. Tudo chorando seria monótono, tudo rindo, cansativo; mas uma boa distribuição de lágrimas e polcas, soluços e sarabandas, acaba por trazer à alma do mundo a variedade necessária, e faz-se o equilíbrio da vida". Quincas Borba (1891)

"As pessoas valem o que vale a afeição da gente, e é daí que mestre Povo tirou aquele adágio que quem o feio ama bonito lhe parece". Dom Casmurro (1899)

"O melhor drama está no espectador e não no palco". (conto A Chinela Turca)

"Eu não sou homem que recuse elogios. Amo-os; eles fazem bem à alma e até ao corpo. As melhores digestões da minha vida são as dos jantares em que sou brindado". (Conto A semana).

Fonte: http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/62/materia/280263

 

Comentário de Jornalista do SBT:

Vídeo do Sportv: http://youtu.be/Z_8iWrmB_VE

Tags:

|

© Diretório Acadêmico de Letras da Faculdade Ages, 2010-2012

Crie o seu site grátisWebnode

Salve essa página em PDF